Como falar com os futuros colegas com tantas barreiras criadas?


Um dos maiores desafios que encontro quando, durante a divulgação de meus eventos,cursos ou projetos dentro dos cursos de Medicina Veterinária , é o momento em que tenho que encontrar um meio para falar com os alunos, e , respeitando a máxima que diz que "na casa dos outros devemos nos comportar",  conseguir a autorização ou os caminhos adequados para que os materiais promocionais sejam colocados dentro da estrutura física ou nas mídias sociais desses estabelecimentos de ensino.

E recentemente conversando com outros colegas , o assunto veio à tona pois percebi que não estava sozinho na situação citada acima, muitos colegas que promovem cursos, ou mesmo são palestrantes em seus próprios projetos encontram as mesmas dificuldades para chegar aos alunos,e passamos por alguma situações que beiram o surrealismo em alguns casos...querem ver?

- Donos de comunidades veterinárias ( colegas e até acadêmicos) de outros estados que bloqueiam colegas de outros estados que promovem eventos, pois somente eles querem promover eventos como reserva de mercado, evitando que assim haja a saudável oferta de opções...perceberam que não falei concorrência??!!

- Uma vez publicando em uma comunidade de alunos da USP, o moderador, um aluno disse que eu não poderia publicar nada na página ( mesmo sendo permitido publicar cursos ) pois eu não tinha qualidade profissional visto que " não tinha grife USP no meu diploma!" e me expulsou da página.

- Em outra ocasião uma colega da indústria foi a uma universidade divulgar um evento que seria em um hotel e o Coordenador de Curso disse que não colocaria os cartazes e nem  permitiria nenhum aluno saber do evento pois a clínica dele era patrocinada de outra marca de medicamentos...oi???

Mistura total de valores, papéis e procedimentos não é mesmo?

- Um colega de uma grande marca de produtos foi à uma reunião na universidade e o coordenador disse que só colocaria temas que ele achasse importante, pois ele que decidiria qual caminho profissional os alunos daquela instituição deveriam seguir, e que todo evento deveria ser submetido à sua avaliação e que queria sempre o Lattes de todos os palestrantes antes!

- Recentemente fui levar cartazes em uma universidade de um curso, já tendo combinado anteriormente com a coordenadora que lá levaria os cartazes...ao chegar fui direcionado a uma secretária que tinha a mesa bem em frente à mesa da coordenadora. Segue o diálogo:

- " Bom dia, tudo bom? Eu me chamo Sergio Lobato e combinei com a coordenadora......... para deixar esse material para ser divulgado aos alunos"

-" Ela não está aqui, está em sala de aula!"

- " Sim, posso deixar na mesa dela então? Pois estou com o táxi me esperando na porta pois ainda vou em mais uma universidade hoje..."

- " Não, não pode!"

- " Oi, desculpe..mas essa mesa aqui não é dela?"

- " Sim, mas não tenho ordens para receber, se o senhor quiser vá a uma agência dos correios e mande pelo correio, aqui não recebemos encomendas pessoais!"

- " Mas não é pessoal..é um cartaz e alguns folders que ela , inclusive está esperando"

- " Sinto muito, se tiver com pressa mande um sedex 10! Aqui o senhor não vai deixar"

Perceberam o surrealismo do diálogo?

Eu tenho excelente relação com vários colegas que são coordenadores e diretores de cursos de Medicina Veterinária em todo o país, e agradeço diariamente a todos eles por isso!

Mas o que está por trás de comportamentos como esse? 

Existem páginas no Facebook por exemplo onde as coordenações somente publicam posts institucionais, e estão certíssimas, mas a partir do momento em que abrem uma sessão de eventos, por que insistem em somente publicar o que acontece dentro dos muros de suas universidades e organizados por eles?
Medo?
Protecionismo barato? Ou caro?

Um dos maiores problemas é que essa geração de acadêmicos que, aprisionada dentro de posturas como essas, e ainda aliado ao fato de ser uma geração mais acomodada  e com valores que ainda precisamos entender como foram criados , tende a se formar em um casulo de informações técnicas muito reduzido! 

E qual a consequência disso? 

Nível técnico cada vez menor!
Oxigenação cultural e profissional insuficiente!
Baixo nível na formação ampla do profissional!
Redução do conceito correto de networking!
Problemas éticos e de relacionamento profissional!

Depois reclamamos do nível dos profissionais formados, mas como influenciá-los, estimulá-los , orientá-los e mesmo brigar com eles quando necessário se parece que muros foram criados nos cursos de Medicina Veterinária de norte à sul do País?


Deixo esse texto como reflexão..pois sinceramente acho que o centro de formação que criar profissionais abertos ao mundo , com certeza  terão os lucros ( já que parece ser o mais importante fator atualmente.... não sejamos inocentes...) de promover  estratégicamente que os grandes profissionais do futuro que se aproxima se formaram nos seus bancos...




Comentários

Postagens mais visitadas